Razões para amar Paris – Parte III: A quoi ça sert l’amour???

Para que serve o amor????


Ownnn… essa animação deliciosa,


ao som de Edit Piaf, explica bem…



Além de tudo é ambientado em Paris!!!

Me digam se o Francês é ou não é o idioma do amor??


Divirtam-se!

Beijos!

Para quem se interessa pelo assunto, escrevi dois outros artigos sobre “Razões para Amar Paris”:

https://cleidescully.wordpress.com/2009/09/01/razoes-para-amar-paris-parte-ii-abelardo-e-heloisa/

https://cleidescully.wordpress.com/2009/07/20/razoes-para-amar-paris/


Anúncios
Publicado em Amor, Artes, Cultura pop, Namorados. Etiquetas: , . 1 Comment »

Para que Serve uma Relação?

 
 
 

“Amantes” – Pablo Picasso

 

Como celebração do dia dos namorados, posto um texto do Dr. Drauzio Varela que para mim é um dos mais sintéticos e autênticos sobre a importância de uma relação amorosa em nossas vidas.

 

Felicidades a todos! Aos que tem namorado: longa vida ao namoro, a quem ainda não encontrou seu par, que ano que vem vocês possam comemorar essa data acompanhados! Leia o resto deste artigo »

Lira Romantiquinha

(Carlos Drummond de Andrade)

Por que me trancas
o rosto e o riso
e assim me arrancas
do paraíso? Leia o resto deste artigo »

Casais Favoritos – Parte III – Melhores cenas de amor do cinema

Ainda no clima de semana dos namorados, vou compartilhar com vocês uma seleção das cenas mais românticas do cinema. O critério de seleção foi o meu gosto – hehehehehehe! Sintam-se à vontade para concordar, discordar, acrescentar outras…

Leia o resto deste artigo »

Casais Favoritos – Parte II – Desenhos Animados

Seguindo a programação de semana do dia dos namorados, vou postar agora alguns casais de desenhos animados…

Pensar nesse post me trouxe boas lembranças da infância, da adolescência. Eu sempre torcia para os casais ficarem juntos nos desenhos, mas a maioria dos relacionamentos eram platônicos. Séries animadas não tinham muito romance… Leia o resto deste artigo »

O Elo Divino…

Esses dias eu tenho pensado sobre o amor, não só ultimamente – esse assunto sempre esteve em minhas reflexões.

Que sentimento é esse que une dois seres para uma vida? Qual o segredo dos casais felizes? Confesso pra vocês que sempre que conheço um casal feliz, depois de observá-los um bom tempo,peço para contarem pra mim sua história: como se conheceram? O que fazem para manter o sentimento amoroso jovial como no início do romance? Tenho uma coleção de histórias, de teorias… e vou ajuntando, na minha maneira própria de entender esse mistério… o amor…


Essa semana me deparei com um texto, simples e perfeito! Explicando isso tudo que eu tenho tentado encontrar. O autor é o professor Hermógenes, um dos maiores nomes do yoga no Brasil. E ele fala com propriedade, viveu realmente um grande amor, que durou a vida inteira!

 

Compartilho com vocês…

 

“‘Portanto, o que Deus juntou não separe o homem…’

Quando é que podemos dizer que ‘Deus juntou’?

Quando, diante da lei, os nubentes assinaram o contrato?

Será o contrato o vínculo de Deus?

Um casal se une diante de um altar, perante um sacerdote e testemunhas…

O ritual será o vínculo de Deus?

O elo Divino não é feito de papel, nem de cerimônia pomposa.

Que é este misteroso vínculo indissolúvel, que o homem não pode separar?

É Deus mesmo que o define:

‘De modo que não são dois, mas uma só carne…’

Esta é a Divina União, que Deus abençõa e os homens não desfazem.

É o próprio Deus.

Deus, que é Amor.

 

Amor não é aquele que só consegue amar a perecível forma.

Por ser fácil, é vulgar amar a formosura da forma.

Esse amor, que não vai além do apetite estético, é tão vulnerável quanto a própria beleza transitória. Dura somente o tempo que dura aquilo que o tempo, a doença e a morte desfiguram e extinguem.

O Amor liberto do tempo, das injunções existenciais, o Amor que perdura, os vulgares não conhecem, pois não entendem o que é amar a Essência, que transcende as formas.

Somente os que já conseguiram penetrar em algumas camadas mais sutis e profundas de seu próprio universo interno, portanto, mais longe do ilusório, são capazes da libertadora aventura, da transcendente ventura de Amar.

Este amar Real também goza a forma.

Mas, em realidade, ama a Essência, que lhe dá Eternidade, Infinitude, Transcendência, Felicidade, Plenitude.”

Professor Hermógenes, Mergulho na Paz. P. 219

 

Publicado em Amor, Uncategorized. Etiquetas: , , . 4 Comments »