50 Tons e uma Questão: que está acontecendo com as heroínas de nosso tempo?

 O que está acontecendo com nossas heroínas literárias e televisivas?

 

A arte muitas vezes é reflexo da sociedade que a produz, mas também tem a missão de enxergar além, inspirando e mostrando o que o ser humano pode ser ou aspirar. Desta forma, ela consegue dar aquele salto no futuro, ou construir os arquétipos vislumbrando o que somos capazes de fazer ou gostaríamos de ser.

 

“As três idades da Mulher” de Gustav Klimt

Leia o resto deste artigo »

Anúncios

E 2012 Começou…

Parece estar um pouco atrasado este artigo, mas geralmente as coisas vão entrando nos trilhos em Janeiro e começam a entrar em uma certa rotina em Fevereiro. Eu não tive férias, mas assim são as coisas no Brasil, estava esperando “sentir” melhor a vibração do ano novo…

Leia o resto deste artigo »

“Mosaicos Existenciais à Procura”

Coloquei a expressão entre aspas, porque esta frase era usada por um grande professor que tive na pós-graduação. Ele usava essa expressão para descrever as pessoas da pós – modernidade, ou contemporaneidade, se preferirem… não há um termo consensado, para dizer o que somos.

Hoje, mas cedo, conversava com um amigo estudante de História, sobre as buscas e padrões de nossos tempos. Do imediatismo, da competição, da supervalorização do parecer ao invés do ser. Leia o resto deste artigo »

Ainda sobre o Amor…

Atenção: Não escrevi esse texto para uma pessoa especificamente, já fui abordada por pessoas que se sentiram contempladas. É uma indignação geral, não específica, contra comentários que não me ajudam a crescer – pois não são feitos diretamente a mim, e sim a terceiros sobre mim – e pela constatação da distorção dos valores da nossa sociedade.

 

Caros leitores, me desculpem pela ausência… ando em crise de criatividade [muito trabalho, muita cobrança  e pouco dinheiro  em contrapartida deixa até o mais otimista dos seres humanos desmotivado… desculpem-me!].

Bom, mas se a inspiração não vem, nada como a indignação para nos obrigar à expressão.  Me chegaram aos ouvidos comentários maldosos que me criticavam por acreditar no amor… comentários vulgares que me irritaram profundamente. Como todo ser humano, me reconheço falha e imperfeita, claro! Mas ser criticada por acreditar em algo bom e verdadeiro, é no mínimo contraditório. Leia o resto deste artigo »

Trailer Oficial de Harry Potter e as Relíquias da Morte

 

Em minha humilde opinião, Harry Potter é uma das histórias mais bacanas escritas nos ultimos anos. Confesso que fui resistente ao bruxinho por anos… só assisti pela primeira vez a saga em 2008 por insistência de um primo, adolescente na época. Ele queria minha companhia para assistir ao quinto filme no cinema, e para isso eu teria que ver os outros quatro. Leia o resto deste artigo »

Dissecando a Inveja – Parte II

Dando continuidade à discussão que tinha começado aqui:

https://cleidescully.wordpress.com/2010/03/18/dissecando-a-inveja-parte-i/

Sobre como a inveja parece ser supervalorizada na nossa sociedade e as causas disso… vamos prosseguir.

Em geral essa questão da inveja popularizada se dirige muito mais à aparência do que à essência. As pessoas “invejadas” se gabam de ter “um corpo” ou “cabelos”, ou acessórios e bolsas e roupas de marcas famosas…  Sinceramente, nunca vi alguém dizer no Orkut ou em outra comunidade que o invejam por ser solidário, por ir ao asilo visitar velhinhos, por brincar com crianças abandonadas e doentes, por ter escrito uma tese de doutorado ou por doar seu tempo ao próximo ou a um projeto de vida, ou a um mundo melhor.

Eu cá com meus botões, estou começando a achar, que perante o que assisto nessa “sociedade da imagem”, a expressão “recalcada” é até um elogio – ela indica que você não se rendeu a essa lógica da aparência valer mais que a essência. Geralmente são chamados assim, de “recalcados”, as pessoas não fúteis, pessoas de senso crítico, que não se entregam à espetacularização da vida, que se preocupam com o próximo, que estudam, trabalham , batalham e têm um sonho a realizar além de colocar uma bunda ou peito de silicone, que têm amigos de verdade e acabam por não ter tempo para assistir o espetáculo dos “invejados”. Leia o resto deste artigo »

Dissecando a Inveja – Parte I

Queridos leitores e leitoras, tenho pensando ultimamente em um fenômeno que há tempos observo: a popularização da inveja, e a reificação da mesma com status de um mito.

Escrevi um texto refletindo sobre o assunto, e como o tema é vasto, vou compartilhar com vocês em duas partes. Gostaria de dialogar com vocês sobre o assunto, e saber se vocês o observam e entendem como eu tenho tenho feito, ou se podem colaborar com outros aspectos.  Vamos lá então!

Dando uma volta pelos sites de relacionamento na internet, especialmente o Orkut, percebemos que a inveja, mais que um  pecado capital, tomou status na pós modernidade de um mito. A comunidade “SUA INVEJA FAZ A MINHA FAMA” conta com 3.020.713 membros (e tem variantes também populares como “sua inveja faz o meu ibope” entre outras), seguida pela outra também popular “Inveja de mim? Entra na FILA!” com 1.060.163 membros (também com variantes: “enquanto você me inveja eu arraso”.  Temos a comunidade um pouco mais “metida” a erudita “Inveja é falta de CAPACIDADE!!” – metida à erudita porque cita Balzac [uau!] “É tão natural destruir o que não se pode possuir, negar o que não se compreende, insultar o que se inveja”. (Honoré de Balzac), que conta com 322.717 membros. A lista de referências à inveja é enorme… só comunidades são mais de 1000, muito mais! E pasmem, a frase clichê “Sua inveja faz a minha fama”, também oferece mais de mil resultados na pesquisa de comunidade. Leia o resto deste artigo »