Alimento para Alma – Romeu e Julieta do Grupo Galpão

Bom, quem costuma ler meu blog, já sabe que eu venho de uma geração um tanto romântica e até mesmo ingênua… sim, viver a infância nos anos 80, encheu vários corações e mentes de imagens de amores perfeitos, platônicos muitas vezes e cheios de mágica, e alguns muito tristes… com este gosto romântico entranhado em minha alma, não haveria como não gostar da mais triste das histórias de amor: Romeu e Julieta!

Ainda criança me lembro de ter assistido uma versão japonesa de Romeu e Julieta em formato de desenho animado, confesso que me chocou muito o final tão trágico… é meio complicado para uma criança de 5 ou 6 anos compreender a idéia de morrer por um amor impossível…

Ainda na infância, um pouco mais tarde, com uns 10 anos conheci uma das minhas versões favoritas da obra de Sheakespeare, que é o longa produzido por Franco Zefirelli em 1968. Creio que é a versão da qual a maioria das pessoas deve se lembrar, estrelada por Leonard Whiting e Olivia Hussey atores desconhecidos na época e que foi um sucesso incrível. A poesia de Zefirelli, a trilha sonora, figurino e fotografia devem ser lembradas aqui. Mas tenho que destacar, que é provavelmente a adaptação mais dramática da obra… muitas e muitas lágrimas!

Na adolescência, considerava um dos meus livros favoritos, li várias vezes a história, e até hoje admiro a beleza com que Sheakespeare contou a história dos dois amantes nascidos sob má estrela. História que segundo dizem,  já era conhecida há tempos em Verona, e o autor teve a sensibilidade de transformar em arte pura, sem parecer melodramático, apesar de profundamente triste. Não importa quantas vezes ou qual versão se assiste de Romeu e Julieta, a história sempre nos deixa com um sentimento grave sobre o amor e sobre sua importância na nossa vida.

Ná década de 1990 a história retornou com força novamente, estrelada pelo ídolo teen da época: Leonardo de Caprio em uma roupagem moderna e violenta. Músicas pop, um figurino e cores lisérgicas e um rítmo frenético se destacaram na produção muito marcante… eu eu, adolescente, chorei rios no cinema!

Este prelúdio, aprensetando meu gosto pela obra “Sheakespeareana”, foi apenas para destacar a emoção que foi para mim, assistir neste domingo, dentro do Festival Internacional de Teatro de Rua em Belo Horizonte, e as comemorações dos 30 anos do Grupo Galpão, no Parque Ecológico da Pampulha, a montagem de Romeu e Julieta.

Quando era ainda adolescente, e brincava de querer ser atriz com um grupo de amigos, a peça do Galpão estreara e seria apresentada, se não me engano, na Praça da Estação, aqui em BH, e me lembro da frustração que foi, não ter a permissão de meus pais, já que era menor de idade, para ir com meus amigos… esperei cerca de 18 anos para ver… e realmente era tudo que eu esperava… era mais!

Romeu e seu acordeon…

Não é segredo que sou amante e estudiosa de artes, e ver esta peça agora, com meus sentidos e gostos mais elaborados, foi uma experiência especial. Há vários conceitos e definições de artes em livros e mais livros de filosofia, de sociologia, de arte, antropologia… idéias divergentes… meu sentimento particular, a respeito do assunto, é que arte de verdade vem da alma e toca a alma… há quem diga, que arte não é só o Belo, e eu concordo, porque especialmente hoje em dia, o Belo está submetido a padrões estéticos capitalistas e midiáticos. E há também uma tendência, a se considerar a arte “engajada” e verdadeiramente valorosa, aquela que choca, que contradiz e expressa o grotesto. Então, por um lado, só se valoriza o “bonito” e por outro o “feio”, “chocante” “escatológico”.

Para mim, nem um, nem outro… considero arte, o que é sublime… o que me faz lembrar que somos criaturas Divinas, e como tais, somos capazes de criar sentimentos e elevar almas… e foi assim que me senti domingo à tarde, assistindo Romeu e Julieta. Utilizando de diversas linguagens artísticas: dança, música, circo, teatro, o Grupo Galpão oferece um generoso banquete de arte ao público… que apesar de numeroso, permanece em silêncio absoluto…

Julieta… bailarina!

A inocência das canções de seresta e do cancioneiro popular brasileiro, juntamente com o clima saltimbanco e o carisma próprio dos componentes do grupo, grandes atores, músicos, cantores… traz uma leveza que nunca tinha sentido na história. As cores, as fitas, os instrumentos musicais e malabarismos, bem como a Veraneio que é o palco da peça, hipnotizam… sem perder em profunidade e gravidade a história contada.

Romeu e Julieta se vêem pela primeira vez

Uma das imagens favoritas, que gravarei no meu coração, foi ver Romeu e Julieta se despedirem à luz do crepúsculo no inverno mineiro… lindo! E Romeu parte, caminhando sobre pernas de pau, carregando uma mala… tudo de uma sutileza, doçura, beleza sublime!

O final da história, todo mundo conhece, mas creio que todos que viram, concordarão comigo, que apesar de voltar pra casa com aquela dorzinha característica de assistir Romeu e Julieta lá no fundo do coração… voltam também com a leveza nos pés, cantando “flor minha flor… flor vem cá… flor minha flor… laialaialaiáaa…”

Tal capacidade de transcender através da arte, de criar algo tão especial, retirado do próprio talento e sensibilidade… me faz prosseguir acreditando no ser humano… o homem ainda consegue divinizar-se na arte… nem tudo está perdido!

Platéia se reunindo antes do espetáculo

A trupe chegando…

Tarde linda… “mundaréu” de gente!

O príncipe de Verona

Julieta, sua mãe e a ama antes da festa…

“Oh Romeu, Romeu… por quê és tu Romeu… renega teu pai, e recusa teu nome, ou se não quiseres apenas jura que me ama e deixarei de ser uma Capuleto”

Na cela do Frei Lourenço

Crepúsculo no parque

Não é a Cotovia, é o Rouxinol!!!

Advertisements

2 Respostas to “Alimento para Alma – Romeu e Julieta do Grupo Galpão”

  1. Heloisa Says:

    Arte pode ter mil e uma definições, mas só consegue atingir quem tem um coração sensível como o seu! Belíssimas fotos e belíssimo texto. Espero não precisar esperar também 18 anos para ver tão lindo trabalho do Grupo Galpão!

  2. nana Says:

    eu tenho que escreve uma historia escrita por min mesmo sobre romel e julieta,mas não consigo! nunca li a historia tenho que pesquisa muito sobre a linda historia de amor… ´´romel e julieta


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: