“Mosaicos Existenciais à Procura”

Coloquei a expressão entre aspas, porque esta frase era usada por um grande professor que tive na pós-graduação. Ele usava essa expressão para descrever as pessoas da pós – modernidade, ou contemporaneidade, se preferirem… não há um termo consensado, para dizer o que somos.

Hoje, mas cedo, conversava com um amigo estudante de História, sobre as buscas e padrões de nossos tempos. Do imediatismo, da competição, da supervalorização do parecer ao invés do ser.

“Mosaicos existenciais à procura”… é o que somos, mas a procura de quê? O academicismo nos dá conta de que a Modernidade fragmentou os conhecimentos, para que a ciência produzisse mais e mais conhecimento. Mas na Modernidade, as pessoas ainda acreditavam no progresso do ser humano, em amores verdadeiros e duradouros, e que o conhecimento resolveria todos os problemas do mundo.

A Ciência não resolveu todos problemas, apenas alguns, mas criou outros. Depois da bomba atômica por exemplo, testemunhando o nosso potencial destrutivo, a humanidade perdeu a fé em si mesma e seu progresso. Estou generalizando aqui, ainda há filosofias otimistas, mas estou traçando um panorama geral.

Hoje, não estamos separados mais de 24 horas de nenhum lugar do mundo, e notícias de todos os cantos do planeta nos chegam em tempo real. A internet nos possibilita conhecer pessoas que nunca, sequer veríamos se vivêssemos no passado. No entanto, temos cada vez menos tempo para conviver com quem gostamos, os nossos relacionamentos duram cada vez menos, e nossos valores estão desgastados como nunca.

Não estou fazendo nenhum discurso apocalíptico, eu acredito em amizade verdadeira, em amor duradouro [independente de casamento] e acredito realmente que o ser humano pode e irá progredir. Mas estamos vivendo um momento de caos, e de incongruência. As pessoas estão tão confusas, que desejam uma coisa, e caminham na direção totalmente contrária ao que dizem querer.

Um aluno adolescente outro dia me veio com um insight brilhante: a moda do símbolo do infinito, que todo mundo usa em jóias, bijuterias, e tatua pelo corpo… a eternidade entrou na moda, porque o espírito ansia que as coisas durem, mas não se apegam à nada: são capazes de trair os melhores amigos, para ficar com uma pessoa que descartarão em menos de um mês… o que é infinito então?

E as redes sociais, elas mostram exacerbadamente o desespero dos mosaicos existenciais e o que eles pensam, ou não pensam, apenas seguem o que a maioria pensa. Porque se a gente pensasse mesmo, não ostentaria certas coisas em nossos perfís.

Sobre os relacionamentos, eu ouço demais as pessoas reclamarem que não encontram alguém decente, que as pessoas são levianas, não querem nada sério… tanto homens quanto mulheres dizem isso incansavelmente. Mas então, você dá uma olhada no perfil da pessoa e pensa… será que ela está falando sério mesmo?

Eu acho uma pérola as tais comunidades que dão conta das “filas”: “A fila andou”, “A minha fila não anda, voa”, “A fila anda, mas a catraca é seletiva”…  e por aí vai. É incrível como o capitalismo e o consumismo entra nas nossas vidas até por essas portas. Essas comunidades são sintomas de quê? De que quantidade é melhor que qualidade! Deus me livre de ter uma fila… se for de pessoas boas, eu odiaria estar enrolando e fazendo esperar pessoas decentes. E se fosse de pessoas ruins, acho que piorou né? Só com o tema “A fila anda” no orkut, são mais de 800 comunidades… haja fila, não é mesmo?

Tem a variante também, de pessoas que entram em comunidades “fofas”[not], que dizem que querem um amor para sempre, ou que estão carentes de amor/afeto e adjacências, mas postam fotos dignas de sub celebridades nos álbuns… o que virou uma praga também! Todo sonha em famoso hoje em dia, nem que seja mostrando, desculpem o palavreado, a bunda na faculdade, ou posando nuas, ou aparecendo num reality show, fazendo papel de ridículo em geral. É uma carência generalizada e mal canalizada. Como não dá pra ser todo mundo famoso, há o orkut, o facebook e o youtube para liberar todos os anjos e demônios de cada um… muito mais demônios que anjos, diga-se de passagem. E as frases emblemáticas “Se tem inveja de mim, entra na fila”, “Cuidado ao falar de mim, não me julgue, blá blá blá”, tem até quem coloca fotos de olhor grego, pimenta, figa no perfil, e escreve… “sai invejoso”, mas o perfil é trancado! A pessoa não confia nem nos próprios amigos?

Tem as comunidades xingando os ex namorados e ex namoradas… bom, tem ex que é um pesadelo mesmo, mas colocar no perfil é meio anti-ético né? Deixa a pessoa ser feliz pra lá… tem quem coloque frases dramáticas sobre o amor e sobre como a culpa toda é do outro. Em questões do coração, todos nós temos as nossas responsabilidades.

Ah, e tem pessoas que tratam os perfis dos amigos como um “cardápio” da vida, e saem adicionando os amigos alheios, ou querendo ser apresentados… sempre os que têm a foto mais bonita é claro [geralmente comprometidos ou nem um pouco interessados]. A gente esquece que atrás disso há uma pessoa com suas subjetividades, fragilidades e sonhos [até os “semi deuses” da tv, são pessoas]. E é bm pensar que talvez, interessar-se por alguém “comum”, fora dos padrões da midia, traria chances muito mais reais de felicidade…

Há pessoas que se decidem por investir em pessoas comprometidas: casadas, noivas, em namoro sério, e querem por que querem “tomar o parceiro/parceira da outra/outro”.  Sabe, eu não sou moralista – cada um faz com sua vida, com seu corpo, o que quiser – mas eu acredito em duas coisas, uma Jesus que falou: “Não faça aos outros o que você não gostaria que fizessem com você”, eu tenho certeza, que essas pessoas, em um relacionamento, são obsessivamente ciumentas. E a outra máxima que eu acredito e observo por aí: “Você colhe, o que você plantou.” Não tem jeito gente, é lei natural, plantou abacaxi, vai colher abacaxi, literal e figurativamente…

Me desculpem se o meu papo está soando um pouco como sermão, vou dizer, eu também sou um mosaico existencial à procura, ou como diria o Raul Seixas, uma “metamorfose ambulante”, mas essas contradições me impressionam, e as vezes falar delas ajuda a lidar com elas…

Talvez, daqui há um tempo, eu pense diferente, e tenha que me retratar… mas como eu disse, eu acredito em amor duradouro, amizade verdadeira e no progresso do ser humano. Só acho que as vezes procuramos de maneira equivocada, muito pelo consumismo e imediatismo que nos assola, a gente acha que até um relacionamento pessoal compraremos em loja, com nossas moedas fictícias, que neste mundo, geralmente são as imagens que oferecemos de nós mesmos. E que compramos dos outros, sem ao menos refletir.

Talvez nossa salvação esteja na generosidade uns com os outros. Mais tempo com os amigos, e mais sinceridade… fidelidade, palavrinha fora de moda. Pra que “apostar corrida” com seus amigos querendo saber quem é mais rico, quem é mais bonito, quem compra o melhor carro? Fique feliz por que alguém que você ama progrediu… isso te faz progredir também. Seu amigo gosta de uma moça, não entre em competição para se sentir melhor que ele, por que não ser cupido, e ver duas pessoas felizes?

Mais respeito com o coração dos outros: Aquela pessoa é comprometida, e você sentiu uma atração enorme por ela? Lembre-se que o namorado, namorada, noivo, noiva, marido, esposa dessa pessoa, é uma pessoa como você, que tem sonhos, que se dedica, que luta… respeite o vínculo dos outros e você atrairá seus próprios vínculos, mas felizes, livres de culpa e rancor… está num relacionamento desgastado, tentou sinceramente tudo que podia? Não é melhor romper que trair, ou que ficar vivendo uma tortura infinita à dois?

Ah, e uma coisa que vai fazer muito bem, parar de tratar as pessoas como números… não importa com quantas pessoas você ficou, quantas mulheres um homem pegou, não o fazem mais homem. A quantidade de “pretendentes” na fila, não fazem de uma mulher mais atraente. Vale mais uma relação onde você pode estar à vontade, ser você mesmo, uma relação que te faça crescer como ser humano, sem deixar de lado a paixão.

Ter várias pessoas, para fazer uma tabela, é o mesmo que não ter ninguém. Estar com alguém que não te faz querer ser melhor, é a mesma coisa que estar sozinho. Casar só para fazer um teatro para sociedade, tem muito menos importância, do que morar junto e ser companheiro de verdade. Porque o Elo Divino, o que Jesus disse “Que o homem não separe o que Deus uniu”,  não é o papel, não é o ritual… o que há de Divino no ser humano é o Amor, livre de convenções, acima de sentimentalismos e acima de tudo tolerante para com defeitos e dificuldades de quem se ama, porque enxerga a alma com os olhos do amor e não as pequenas convenções humanas.

Se você gostou do assunto, eu já falei do amor aquiaqui e aqui também. Neste post falei da inveja, e um pouco sobre os relacionamentos e nossas idealizações aqui.

Anúncios

7 Respostas to ““Mosaicos Existenciais à Procura””

  1. Priscila Says:

    Cleide, só tive tempo de ler agora… que texto perfeito… sintetizou mto bem esta “pressa” e esta “inquietação” que as pessoas sentem hoje – quero tudo agora, aliás, pra ontem, e não importa o que for, tenho que conseguir, não interessa mto os sentimentos dos outros. E sabe o que é pior? Se queremos agir diferentes, por vezes somos taxados de chatos, retrógradas, ou ainda, somos engolidos pelas situações… só parando mesmo, respirando fundo e acreditando sinceramente no ser humano conseguimos resistir…

  2. Jhenny Says:

    Pausas…
    Eu terminei de ler o suas palavras e adorei cada detalhe. É a capacidade de perceber certas coisas, compreender certos detalhes que muitos de nós estamos perdendo, mas você consegue perceber isso e é impressionante. Você é uma pessoa especial, seus pensamentos são lindos e não digo isso por que soa belo, mas por que – ainda que eu a conheça só pela internet – você sempre teve muito a me dizer e sempre me fez refletir.
    Parabéns, você é um ser humano incrível! É sempre um prazer vir por aqui!
    E eu concordo com a moça de cima, na maioria das vezes não somos compreendidos, mas o bom é saber que ainda existem bons seres humanos… Enfim!
    Meus parabéns, mais uma vez =D

    • Cleide Sousa Says:

      Ô Jhenny!
      Fico emocionada com suas palavras… vc sabe que eu também gosto muito de você! Abençoada a internet né? Que permite que a gente tenha amigos do coração, em toda parte do mundo!

  3. Christiani Rodrigues Says:

    Olá Cleide,

    gostei muito do seu post https://cleidescully.wordpress.com/2010/08/17/a-primavera-se-aproxima/, porque estou à procura de modelo de vestido azul para usar num evento, de obrigatoriedade cor azul. E gostaria de saber se vc me passaria o modelo do vestido azul de renda que achei lindíssimo. Parabéns pelo bom gosto!
    No aguardo, meu email é chrisrodrigues@hotmail.com

    Obrigada e parabéns pelo blog.

  4. Cleide Sousa Says:

    Cara Christiani, te enviei um email para saber mais detalhes da sua festa! Obrigada pela visita!

  5. Marco Says:

    Cara amiga, seu texto é excelente, coerente e bastante claro. Parabéns. MARCO


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: